Divulgação: Loja "By the Wine - José Maria da Fonseca" abre no Chiado

Nota de imprensa


Loja "By the Wine - José Maria da Fonseca" abre no Chiado

Acaba de abrir em Lisboa, no Chiado, a By The Wine - José Maria da Fonseca, a primeira flagship store da marca que, desta forma, inaugura também em Portugal um conceito inovador de promoção e divulgação dos vinhos de um produtor nacional.

Divulgação: Loja By the Wine - José Maria da Fonseca abre no Chiado - reservarecomendada.blogspot.pt

Há muito que queríamos ter um espaço que representasse os valores da José Maria da Fonseca e que estivesse localizado em Lisboa. Este é um projecto muito importante que nos enche de boas expectativas e responsabilidade. Este espaço servirá a promoção e divulgação da marca e será mais uma sala de visitas para os nossos consumidores e clientes, refere Sofia Soares Franco, responsável de Comunicação da José Maria da Fonseca.

A ideia nasceu após a identificação da oportunidade existente no mercado devido à ausência de um conceito deste género, que alia a promoção em exclusivo das marcas e dos valores de um produtor de vinhos nacional com alguns produtos de excelente qualidade que acompanhassem a degustação de um vinho, tornando, desta forma, a visita à nossa loja, numa experiência gastronómica completa, refere, por sua vez, Ricardo Santos, responsável do projecto.


A By The Wine, aberta de Terça a Domingo das 12h00 às 00h00, para além de loja de vinhos, com oferta de todo o portfólio da José Maria da Fonseca, funciona também como wine bar, com possibilidade de consumo de toda a gama a copo.

Entre as diversas opções gastronómicas contam-se, pão caseiro algarvio, presunto ibérico de bellota e embutidos de Guijuelo (zona de Salamanca), várias opções de tábuas de queijos (onde não faltará o queijo de Azeitão), ostras do Sado, salada de mexilhão, ceviche de salmão, carpaccio e ainda sobremesas para acompanhar os Moscatéis de Setúbal.

Este espaço contará ainda com lançamentos da marca, provas e cursos de vinhos periódicos abertos ao público.

Um espaço descontraído para apreciadores de vinho e gastronomia, no coração de Lisboa!

By The Wine - José Maria da Fonseca
Rua das Flores 41- 43
1200-193 Lisboa
Terça a Domingo das 12h00 às 00h00
bythewine@jmfonseca.pt – (+351) 21 342 0319
facebook.com/By The Wine - José Maria da Fonseca


Moscatel de Setúbal Superior 1955 recebe 99 pontos na The Wine Advocate

A prestigiada The Wine Advocate, a publicação do americano Robert Parker Jr., o mais influente crítico do mundo, acaba de distinguir através do seu site, eRobertParker.com, o Moscatel de Setúbal Superior 1955 da José Maria da Fonseca com 99 pontos.


Mark Squires, provador oficial de The Wine Advocate para os vinhos de Portugal, refere em relação a este vinho: é complexo e concentrado, notavelmente aromático e suave no palato.

É com enorme orgulho que vimos uma vez mais o nosso trabalho elogiado além-fronteiras, numa das principais publicações de vinhos a nível mundial. Este destaque é resultado da procura pela excelência que caracteriza a José Maria da Fonseca desde a sua fundação. Esta pontuação é de extrema importância não só para a José Maria da Fonseca, como para o Moscatel de Setúbal e o país refere António Soares Franco, Presidente da José Maria da Fonseca.

Na mesma edição, outros vinhos da José Maria da Fonseca foram destacados sendo as melhores notas atribuídas a Moscatéis de Setúbal: Moscatel de Setúbal Superior 1911 com 97 pontos, Moscatel Roxo 20 Anos e Alambre Moscatel de Setúbal 20 Anos com 92 pontos.

Já em Dezembro de 2009 outro Moscatel de Setúbal da José Maria da Fonseca, o Moscatel de Setúbal 1947 tinha alcançado 100 pontos nesta revista, a classificação mais elevada na escala de Robert Parker Jr. e equivalente ao vinho perfeito apenas atribuída a 4 vinhos portugueses até à data.

A colheita de Moscatel de Setúbal de 1955 sempre foi considerada por António e Fernando Soares Franco, a 5ª geração da família, como a melhor colheita de Moscatel de Setúbal do séc. XX. Em relação a outras colheitas de Moscatel sempre se destacou pela sua qualidade global, sendo um vinho muito complexo e equilibrado em termos de estrutura, doçura e acidez.

Por ser um vinho tão completo é um vinho que não é/era habitualmente utilizado em lotes de outros Moscatéis da José Maria da Fonseca, como o Alambre 20 Anos ou o Trilogia.

Foi isso mesmo que destacou a Revista de Vinhos, na sua edição de Agosto de 2011, ao atribuir-lhe 20 pontos, a nota máxima, e ao referir-se a este vinho como brilhante e indescritível.

O que Domingos Soares Franco, enólogo da José Maria da Fonseca, mais destaca neste vinho, para além de toda a sua complexidade aromática e gustativa, é a sua extraordinária frescura na boca, que equilibra toda a doçura natural e concentração que o vinho tem.

Deste vinho foram produzidas apenas 150 garrafas de meio litro, das quais 100 garrafas foram a Leilão em 8 de Novembro de 2011 atingindo um valor médio de 500€ a garrafa. O remanescente permanece na colecção da José Maria da Fonseca.

A prestigiada publicação americana Wine Advocate criada em 1978, analisa e pontua desde o seu início milhares de vinhos produzidos em todo o mundo. Robert Parker Jr., o mais famoso e conceituado crítico de vinhos do Mundo, tornou-se, através dela, mundialmente conhecido pelas suas notas e sugestões fornecidas aos consumidores. O seu site eRobertParker.com: The Independent Consumer's Guide to Fine Wine tornou-se referência obrigatória no mundo dos vinhos, refinando as suas apreciações e classificações com a colaboração de outros conceituados críticos de vinhos. Mark Squires é um deles. Escreve com regularidade e, é uma referência incontornável no que toca a apreciação de vinhos Portugueses.

Actualmente, a The Wine Advocate, tem mais de cinquenta mil assinantes espalhados por 38 países.


José Maria da Fonseca lança novas colheitas dos seus Moscatéis

A José Maria da Fonseca lançou antes do Natal as novas colheitas de dois dos seus Moscatéis, os Colecção Privada Domingos Soares Franco Moscatel de Setúbal 2004 e Moscatel Roxo 2005.


Representante mais novo da sexta geração da família que desde a fundação preside aos destinos da José Maria da Fonseca, Domingos Soares Franco é, para além de vice-presidente, o principal enólogo da empresa.

Domingos Soares Franco foi o primeiro português a obter a Licenciatura em Ciências de Fermentações (Viticultura e Enologia) pela Faculdade de Agricultura e Ciências Ambientais da Universidade da Califórnia em Davis, EUA. Tal facto assume especial importância uma vez que o influenciou na forma como olha e vê a vinha e o vinho, conjugando a história e tradição de uma empresa centenária, com a aprendizagem e inovação que trouxe de uma das mais avançadas escolas de Enologia do Mundo.

Embora assine todos os vinhos da José Maria da Fonseca, existem uns que reserva para si como especiais; é a Colecção Privada Domingos Soares Franco.

Estes vinhos resultam da combinação de três factores: a sua formação em Davis e a influência do seu Tio e do seu Pai; o terceiro é disponibilidade dos 650 hectares de vinhas da José Maria da Fonseca e a colecção, única em Portugal, de castas nelas plantadas.

A colheita de 2005 de Moscatel Roxo permitiu a Domingos Soares Franco apresentar, no âmbito da sua Colecção Privada, um vinho generoso produzido a partir da uva Moscatel na sua versão rosada: o Moscatel Roxo. Trata-se de uma uva bastante rara, que chegou a correr riscos de extinção. Apesar de se poder considerar similar à sua homónima branca, a sua aparência é bem diferente em virtude da sua cor roxa, aroma e paladar.

Em 1998, Domingos Soares Franco decidiu que era altura de inovar o Moscatel de Setúbal. Então, iniciou 5 anos de ensaios em que, com uvas da mesma vinha fez vinho com 4 tipos de aguardentes diferentes: uma neutra, outra de origem da região de Cognac, outra de origem da região de Armagnac e um quarto lote com 50% destas últimas. Após cinco anos de provas, prevaleceu a do Armagnac, pela sua subtileza, frescura, complexidade e harmonia e nasceu o Colecção Privada Domingos Soares Franco Moscatel de Setúbal (Armagnac).


Moscatel de Setúbal Superior 1911 atinge vendas de 50 mil Euros

Foi no dia 2 de Dezembro, que o lançamento em Leilão do Moscatel de Setúbal Superior 1911 da José Maria da Fonseca rendeu cerca de 50 mil euros.


Num Leilão de casa cheia, foram vendidas 100 garrafas de 500ml das 180 unidades produzidas desta edição especial deste vinho, cujo lançamento comemora os 180 Anos da empresa.

Os 35 lotes foram ainda complementados com outros vinhos da empresa, nomeadamente outros Moscatéis de Setúbal e Moscatéis Roxos mais antigos, como colheitas de 1900, 1904, 1908, 1947 (100 pontos no The Wine Advocate de Robert Parker) ou o Setúbal Superior 1955.

Cerca de 100 pessoas entre especialistas do sector, apreciadores e outros investidores fizeram as suas licitações para os diferentes lotes que chegaram a ultrapassar os 3000 euros. No final da cerimónia, a cargo do Palácio do Correio Velho estava angariado um montante que superou todas as expectativas.


O lançamento de Moscatéis de Setúbal raros em Leilão significa o retomar de uma tradição da empresa que fazia estes Leilões nos anos 50 e 60. Os mais recentes realizaram-se em 2011 e 2008, nos quais foram lançados respectivamente o Moscatel de Setúbal Superior de 1955 e o Moscatel Roxo Superior de 1960.

Para António Soares Franco, Presidente do Conselho de Administração da José Maria da Fonseca, “o objectivo do Leilão foi o de reforçar o prestígio e a imagem da empresa e do Moscatel de Setúbal como vinho generoso de eleição num ano especialmente importante para nós em que comemoramos 180 anos. Tal objectivo foi plenamente atingido quer pelo interesse que este lançamento motivou, quer pelos valores que as garrafas atingiram”.

Sobre o Moscatel de Setúbal Superior 1911
Domingos Soares Franco pretende respeitar esta tradição, por isso decidiu agora lançar este vinho tão especial, que envelhecia em cascos de madeira, na Adega dos Teares Velhos, em Azeitão, há mais de 100 Anos. Devido à sua idade, este Moscatel de Setúbal Superior 1911 apresenta um tom âmbar escuro bastante carregado e uma concentração invulgar. Tem um aroma bastante complexo a frutos secos, mel e especiarias. O paladar é intenso, mas delicado, untuoso e muito longo. Para Domingos Soares Franco, enólogo responsável da José Maria da Fonseca “Herdeira de um património único a nível de Moscatéis de Setúbal, e da consequente responsabilidade que isto representa, é para a José Maria da Fonseca um orgulho e uma honra apresentar esta edição especial comemorativa dos 180 anos da empresa, o Moscatel de Setúbal Superior 1911, da qual apenas se produziram 180 unidades.” Desta edição especial deste vinho foram produzidas apenas 180 garrafas de meio litro, das quais 100 garrafas irão a Leilão no próximo dia 2 de Dezembro. O remanescente permanecerá na colecção da José Maria da Fonseca.


José Maria da Fonseca cria estrutura de distribuição própria

A partir de 1 de Janeiro de 2015, a José Maria da Fonseca começou a operar diretamente na distribuição das suas marcas no mercado nacional, investindo numa estrutura própria criada especialmente para o efeito.

O objetivo da empresa passa por ter um papel ainda mais ativo na gestão das suas marcas em Portugal e estar mais perto dos nossos clientes e consumidores.

É o retomar de um projeto com o qual temos muito carinho e o qual terei o prazer de liderar. A José Maria da Fonseca foi das primeiras empresas em Portugal a ter distribuição própria, já no princípio dos anos 60, através da Sileno Distribuição. Em 2015, após cerca de 30 anos em que as nossas marcas foram distribuídas no mercado nacional através de distribuidores nossos parceiros, a José Maria da Fonseca volta a criar uma estrutura própria. A Distribuição é uma área cada vez mais estratégica para as empresas e achamos que chegou o momento de voltarmos a internalizar esta função tão importante, refere António Maria Soares Franco, administrador da empresa.

A José Maria da Fonseca Distribuição iniciou a sua atividade a partir de 1 de Janeiro de 2015.


José de Sousa 2011 3º melhor vinho do ano pela Wine Enthusiast

A prestigiada revista norte-americana Wine Enthusiast publicou, na edição de Dezembro, o TOP 100 dos melhores vinhos de 2014, distinguindo o José de Sousa 2011 como o 3o melhor vinho do ano, classificado com 93 pontos e considerando-o “Editor’s Choice”.


É com enorme orgulho que vimos uma vez mais o nosso trabalho elogiado além-fronteiras, numa das principais publicações de vinhos a nível mundial. Estar em terceiro lugar no Top 100 da Wine Enthusiast é o reconhecimento do trabalho feito pela nossa equipa de enologia e um prémio muito importante não só para a empresa como para a região do Alentejo e também para os vinhos portugueses. É a forma ideal de terminarmos as comemorações do nosso 180º aniversário, refere António Soares Franco, Presidente da José Maria da Fonseca.

O José de Sousa proveniente da adega com o mesmo nome em Reguengos de Monsaraz tem a particularidade de ser produzido parcialmente em talhas de barro, técnica milenar de produção de vinho já utilizada pelos romanos. O vinho adquire características de aroma de sabor únicas.

A história desta adega remonta ao séc. XIX, onde os primeiros registos de produção de vinho datam de 1878, sendo uma das adegas mais antigas no Alentejo. A Casa Agrícola José de Sousa Rosado Fernandes foi adquirida pela empresa José Maria da Fonseca em 1986, tendo a partir dessa data a empresa feito importantes investimentos na vinha e na recuperação dos potes de barro, tão emblemáticos na produção deste vinho.

Hoje em dia, a adega José de Sousa é única na dimensão da utilização desta técnica de vinificação, possuindo 114 ânforas de barro para a produção dos vinhos José de Sousa, José de Sousa Mayor e J de José de Sousa. A recuperação desta arte de produção milenar tem tido efeitos muito positivos no mercado.

A Wine Enthusiast é uma prestigiada revista de vinhos norte-americana. Fundada em 1988 por Adam M. Strum, chega actualmente a 800,000 subscritores de todo o mundo.

José Maria da Fonseca lança novo Super Premium branco

No ano em que celebra o seu 180o aniversário, a José Maria da Fonseca lança o seu primeiro topo de gama branco, Hexagon Branco 2013.


O Hexagon branco 2013, vem completar uma lacuna que a José Maria da Fonseca tinha no seu portfolio: a falta de um branco topo de gama. Tal como no Hexagon tinto, também neste branco o Enólogo Domingos Soares Franco pretendeu fazer um grande vinho português ao melhor estilo e de nível internacional.

Produzido a partir de apenas 4 castas nacionais, o Hexagon Branco 2013 resulta da combinação de Viosinho, Verdelho, Antão Vaz e Alvarinho.

Parcialmente fermentado em barrica, este vinho envelheceu por 5 meses em meias pipas de carvalho francês, resultando num vinho equilibrado, elegante e de final longo.

Este vinho foi já considerado pelo Guia de Vinhos de Portugal (2015) do conceituado crítico, João Paulo Martins, como um dos Melhores Vinhos Brancos do Ano.

Com 17 pontos foi descrito por João Paulo Martins como "Uma surpresa, um branco de excelente qualidade, uma demonstração que a busca da novidade e da perfeição continuam por aqui."

Hexagon Branco 2013
Castas: Viosinho (34%), Verdelho (30.5%), Antão Vaz (20%) e Alvarinho (15.5%).
Produção de Vinho: 3000 litros

Notas de Prova:
Cor: Amarelo ligeiro palha com tons esverdeados
Aroma: Fino, elegante, gentil, frutado mas sem exagero, alperce, pêssego, meloa, figo seco, kiwi, avelãs, carvalho em moderação muito suave e bem equilibrada
Paladar: Frutado, suave, carvalho sem exagero, boa acidez
Final de Prova: Longo

Vinificação: Parcialmente em barrica.
Envelhecimento: 5 meses em carvalho francês.

Modo de Servir: Servir a 11ºC e consumir a uma temperatura de 13ºC com peixes e mariscos.

PVP Recomendado: 25,00€


A José Maria da Fonseca
Fundada há mais de 180 anos, a José Maria da Fonseca é um dos líderes nas áreas da produção e comercialização de vinhos de mesa e generosos, encontrando-se as suas marcas presentes em mais de 70 países. O portefólio da José Maria da Fonseca engloba mais de trinta marcas de grande qualidade, representativas das principais regiões vitivinícolas nacionais. Muitas delas são hoje casos de popularidade a nível nacional e internacional e autênticos emblemas do nosso País. Este sucesso decorre do enorme investimento humano e material e de uma constante capacidade de renovação por parte da José Maria da Fonseca que, ao longo da sua história, e atualmente já na sétima geração, tem sabido preservar uma herança preciosa sem descurar a modernização, correspondendo aos padrões de exigência que os consumidores dela esperam e surpreendendo a cada passo.

Este é um artigo de divulgação cujo conteúdo é da inteira responsabilidade do produtor ou promotor do produto ou serviço divulgado. O blogue Reserva Recomendada divulga esta nota de imprensa na convicção de que poderá ser útil aos seus leitores embora o seu conteúdo possa não corresponder à opinião e linha editorial do autor deste blogue.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts with Thumbnails Follow my blog with Bloglovin